moda category image
TOP 5: Marcas de Jóias Alternativas
30 de agosto de 2014 | Categoria: moda

Esses dias tava no Instagram subindo uma foto no meu perfil (@KitschChic – segue lá!), quando dei de cara com uma atualização da Kat Von D indicando algumas marcas de jóias que ela curtia e que vendem online. Como tenho um gosto bem parecido com o dela, fui correndo conferir as dicas. Resultado? Amei tanto que me inspirou a fazer esse post.

Vou confessar que nunca liguei pra jóia. Sempre achei o cúmulo do absurdo gastar tanto dinheiro num pedacinho de metal (continuo achando isso, até que um dia eu ganhe na loteria). Até mesmo as famosas bijoux eu deixo de lado, pois como já uso óculos, acabo achando que já tem “coisa demais” rolando no meu rosto. Assim acabo por não usar brincos (já repararam  que uso apenas uma bolinha minúscula?), raramente coloco uma pulseira ou anel. Parte disso é por preguiça e outra parte é por falta de opção no mercado.

Se você também sofre com essa falta de variedade e qualidade, seus problemas acabaram com as marcas dessa lista que selecionei. Se você, assim como eu, gosta de peças diferenciadas que fogem daquela mesmice fashion, anota as dicas desse TOP 5: Marcas de Jóias Alternativas.

Segura o cartão de crédito e vem!!

Captura de Tela 2014-08-29 às 15.50.35

Macabre Gadgets é uma marca Ucraniana que faz peças inspiradas na estética obscura/macabra e personificada por materiais de vanguarda. Para a produção dos acessórios, é usado o plástico de polímero devido a sua resistência excepcional e alta durabilidade. Uma parte dos anéis é incrustado com metais e pedras semi-preciosas. Todas as peças são feitas a mão.

macabreOK

Minhas três peças preferidas:

1) Bifacial Skull Ring (U$ $150 na promo)  2) Black Bifacial Skull (U$95 na promo)
3) Unicorn Black Ring (U$120 na promo)

INFOS:  Site | Instagram | Facebook

 

Captura de Tela 2014-08-29 às 16.30.24

Rebecca Rose é uma escultura Americana de 34 anos de idade. A marca começou quando ela percebeu as semelhanças entre esculpir e criar uma jóia. Os métodos de criação envolvem um processo chamado de ” kit bashing”, onde ela reúne numa mesma peça, objetos que lembram brinquedos infantis, peças do jogo, materiais orgânicos e miniaturas a fim de transmitir uma narrativa ou história. A partir desses objetos ela cria os moldes onde posteriormente serão preenchidos com metal (aqui ela mostra o processo de criação). Super interessante. Nem preciso dizer que todas as peças são feitas a mão, né?

RebeccaRoseOK

Minhas três peças preferidas:

1) Careering (U$ 600)  2) Offering (U$ 400)  3) Telephone Ring (U$ 800) 

INFOS:  Site | Instagram | Facebook

Captura de Tela 2014-08-29 às 17.17.38

A Blood Milk é uma marca Americana criada em 2008.  As  jóias transmitem contos pessoais, contextos históricos, tais como o movimento vitoriano e referências mitológicas, principalmente os que cercam o romantismo e a questão da morte, graças a formação acadêmica em literatura e escrita da fundadora da marca. Ela acredita que as jóias podem servir como objetos suaves, que podem se tornar lembranças físicas do amor, da auto-suficiência, do luto e da beleza. Todas as peças são feitas a mão.

bloodmilkOK

Minhas três peças preferidas:

1) Nyx Necklace (U$ 290)  2) The Afterlife Tomb (U$ 220)  3) Ariel (U$ 190)

INFOS:  Site | Instagram 

Captura de Tela 2014-08-29 às 17.46.44A Stephen Einhorn é uma marca Inglesa criada em 1997. Stephen queria fazer uma marca inclusiva e que celebrasse a individualidade de cada um, sem ter medo de ser você mesmo e expressar quem você é. Justamente com esse ideal, sua marca foi a primeira a lançar um e-commerce com uma seção inteira dedicada a anéis de compromisso para o público gay. O que mais gostei da marca é que apesar de se tratar de jóias feitas com materiais nobres e portanto mais caras e refinadas (ideais para selar um compromisso como noivado e casamento), foi pensado que existem clientes com diferentes gostos e estilos e por isso criaram diversos temas (tem peças só de caveiras, outras com tema gótico e por aí vai). Tem até artigos para decoração da sua casa, como registro de torneira de banheiro (sim, aquela parte que você pega e gira, rs). Todas as peças são feitas a mão.

stephenOK

Minhas três peças preferidas:

1) Small Skull & Bones Ring (U$ 1.277)  2) Oxidised Dia de los Muertos Bracelet  (U$ 1.709)
3) Small Skull Ring (U$ 1.451)

INFOS:  Site | Instagram | Facebook

Captura de Tela 2014-08-29 às 18.43.54

A Skull é uma marca Brasileira criada em 2010. Os responsáveis por transformar metais e pedras em caveiras é o casal de modelos, Angelica Mantuan e David Pimentel. A guinada das passarelas para a fabricação de jóias se deu por um desejo de expressar as diversas idéias em comum e suprir a necessidade de uma marca urbana de ourivesaria totalmente brasileira com estilo urbano, rock ‘n’ roll e, ao mesmo tempo, sofisticada.

skullOK

Minhas três peças preferidas:

1) Pulseira Vértebra Goth (R$ 1.900)  2) Pulseira Arame Metal  (R$ 380)
3) Pulseira Polvo Goth (R$ 1.090)

INFOS:  Site | Instagram | Facebook

 

DICA EXTRA!!

Captura de Tela 2014-08-29 às 20.18.58

LAB Acessories:
Não coloquei no TOP 5 pois é uma marca recente, tem pouca variedade pois ainda está em processo de produção de novas peças. Mas vale a pena dar uma olhada nas jóias (feitas a mão) e também nas roupas e acessórios. A marca foi criada por Alexandre Lazzini (Designer Gráfico) e Rafael Lazzini (Modelo). Sabe aquele tatuado bonitão com cara de italiano badass? Não??? Veja aqui pra refrescar a memória (e ter uma boa sexta-feira).

INFOS:  Site | Instagram | Facebook

Qual é a marca que vocês mais gostaram??

  •  Se souberem de outras marcas bacanas, comentem aí! :)

Gostou? Compartilhe!

 
beleza category image
Testei: Covergirl Cheekers Blush cor Pretty Peach
20 de agosto de 2014 | Categoria: beleza

covergirl_blog_kitschchic1

Antes tarde do que nunca, cá estou com uma resenha ~ aleluia ~ de maquiagem pra vocês! :D

Comprei o Covergirl Cheekers Blush faz um tempinho e desde então só tenho usado ele. A cor que escolhi foi a Pretty Peach, que como o nome diz, é um tom de pêssego muito lindinho. Se você tá procurando uma cor discreta e natural pro dia a dia, vai adorar essa.

Antes, uma olhadela mais de perto…

covergirl_blog_kitschchic3covergirl_blog_kitschchic2

O que eu achei?

Apesar da embalagem não ser das melhores, nem das mais bonitas, o produto em si é ÓTIMO. Testei por diversas vezes, em diferentes horários e a cor permaneceu por muuuuitas horas nas bochechas (e olha que aqui nos EUA estamos no verão, hein). Claro que sem retoques ele sai um pouquinho, mas não completamente.

A textura é sedosa, super macia e nada esfarelenta. A pigmentação é surpreendente e tem que tomar até cuidado pra não exagerar na dose. Uma leve passada do pincel já é o suficiente.

Confesso que quando comprei não botei muita fé, afinal esse blush custou menos de 5 dólares. Mas ainda bem, fui surpreendida novamente positivamente!

O mais legal é que essa cor é bem neutra e natural, não fica aquele aspecto forçado de blush (coisa que eu detesto e por isso mesmo evito comprar blush rosa demais). O único detalhe é que, justamente por ser discreto, ele só vai ficar legal em peles claras e médias (pode ser mais pro tom amarelado ou rosado, não importa). Se você for morena ou negra, não vai aparecer nadica na pele.

covergirl_blog_kitschchic4

Se você tá procurando um blush bom e barato, recomendo horrores esse!

Ah! E a garota propaganda atual da Covergirl é a Katy Perry… não que isso vá mudar alguma coisa na minha decisão de compra, massss… eu gosto dela! :)

980274_900

Onde comprar?

Infelizmente os produtos da Covergirl não são vendidos no Brasil. Mas quem quiser comprar esse ou qualquer outra coisa (maquiagem, roupas, calçados, etc), estou trabalhando com redirecionamento de compras aqui nos EUA. Dá uma olhadinha na fanpage da minha loja Kitsch Chic Store ;)

 

avaliacaofinal_ok

O preço do Covergirl Cheekers Blush é de U$ 4,99 (fora de promoção)
Mais informações: Site da Covergirl


Gostou? Compartilhe!

 
musica category image
Turismo Retrô: Quatro feiras (imperdíveis) de discos de vinil em SP
14 de agosto de 2014 | Categoria: música

Oi gente!

A saudade de atualizar esse espaço continua e resolvi abrir um espacinho para escrever mais um post, mas dessa vez sem relação com os EUA.

Captura de Tela 2014-08-14 às 10.55.58

Hoje vim para falar de uma paixão que é retrô e moderna ao mesmo tempo: os discos de vinil. Afinal, os vinis voltaram a ser febre em todos os lugares do mundo. Tanto que muitos artistas atuais estão há algum tempo produzindo e lançando novos trabalhos no mesmo material que parecia ter ficado obsoleto lá no início dos anos 90.

Vocês se lembram das vitrolas? Elas que quase caíram em desuso também ganharam uma nova roupagem e evoluíram. Muitas vezes com ares retrô, até gravam seus arquivos a partir da velha bolacha para o formato digital. Também, como resistir ao chiadinho de um toca-discos e ao charme de encostar a agulha na faixa certinha, além de apreciar capas, encartes e até mesmo ter o cuidado para não riscar o vinil?

A moda está tão em alta, que nem é preciso se esforçar demais para saber como encontrar bons vinis, com preços justos e até mesmo lançamentos (alguns a preço de ouro!) no mundo dos bons e velhos LPs. Algumas lojas estão bombando também em São Paulo, sem contar os eventos, realizados muitas vezes, somente para o comércio de vinis.

Para facilitar um pouquinho mais selecionei cinco espaços muito legais. Tem disco a R$ 5, tem compacto, colorido, raro, lançamento e muita, muita cultura da história da música para vocês. Acredite: vai valer a pena até se for só passear.

 

feiraummilhao

Feirão 1 Milhão de LPs

O Feirão 1 Milhão de LPs começou como um grande evento. Funcionava somente em alguns fins de semana, no bairro da Mooca. Só que sucesso chama sucesso, não é mesmo? Foi assim, com uma superlotação e um evento cada vez mais comentado, que os donos da ideia – o Sebo Jovem Guarda e o Casarão do Vinil, decidiram deixar a coisa permanente.  Lá você pode achar, além de vinis, gibis, quadros antigos, objetos decorativos e HQs.

Quando? sempre de sábado e domingo, das 8h às 18h, no espaço na Rua do Oratório, 273. Com tempo durante a semana? Vá à loja fixa na Rua da Mooca, 3401. Esta funciona no mesmo horário, só que todos os dias.

madalena

Feira de Discos da Vila Madalena

A Feira de Discos da Vila Madalena acontece desde 2011 e já é famosa entre os apreciadores de raridade. Tudo porque o evento reúne para troca, compra e venda, LPs de todos os ritmos, incluindo peças únicas que é preciso garimpar. Vem gente de todo o Brasil e a troca de conhecimento é garantida.

Quando? A próxima edição será no dia 17 deste mês, na Rua Teodoro Sampaio, 763, das 11h às 20h.

disco_vinil

Feira de Discos do Tangerino

Tradicional é pouco para expressar o que representa a Feira de Discos do Tangerino. Tudo porque, o “dono” do evento é o Tangerino. Aliás, o evento, na verdade, recebe o nome oficial de “Encontro dos Colecionadores de Música”. Este chamado para os apreciadores de música boa, principalmente os de coisas antigas, entre os anos 50, 60 e 70, jovem guarda, bossa nova e MPB, se deleitam ao menos três vezes ao ano.

Quando? A próxima acontece dia 14 de setembro, à Av. Paulista, 1499 (dentro da Galeria Trianon, em que fica a também tradicional loja Museu do CD).

10483848_833370313340201_39647483790276456_n

Calefação Tropicaos na Tábua de Esmeralda

A Calefação Tropicaos na Tábua de Esmeralda não é exatamente uma feira de vinis, mas uma festa, que inclui também, uma piscina e Djs para comemorar os 40 anos do álbum “Tábua de Esmeralda” do cantor Jorge Benjor, da época que ele ainda era Jorge Bem. O interessante e a relação com discos aqui? Os donos do bar e alguns DJs têm a loja Fatiado Discos, na Rua Havai, 31.

Quando? Geralmente ocorre aos sábaos na Rua Barão do Bananal, 583 (fiquem espertas no Facebook que os eventos ocorrem lá). Se não quiser ir à festa, dê uma passada pela Fatiado. De bom grado, vai sair de lá com belos exemplares musicais.

 

  • Espero que tenham gostado das dicas!

Pra quem quiser ficar sempre por dentro de todas as datas das Feiras, siga o Tumblr Feiras de Discos.


Gostou? Compartilhe!

 
videos-2 category image
Vídeo: Passeio em Venice Beach (Los Angeles / EUA)
11 de agosto de 2014 | Categoria: Vídeos

venice

Oi gente!

Finalmente fui conhecer Venice Beach, lugar imperdível pra visitar em Los Angeles! Venice é uma cidade de contrastes. Lá você vai encontrar fashionistas andando junto a skatistas, tatuados e mendigos. Ouvir todo tipo de música no calçadão, do Rap ao Rock. Provar todo tipo de comida, ver todo tipo de arquitetura. De lojas/casas humildes e coloridas a grandes construções. É um lugar que transborda cultura e comportamento.

Como num vlog a gente tem que ser o mais objetivo e breve possível (caso contrário o vídeo fica com 2 horas de duração, hehe), resolvi deixar pra dar umas dicas por aqui e falar melhor sobre Venice nesse post.

Se você não quiser ler agora, o vídeo tá no final dessa postagem! ;)

 

A História de Venice

Venice foi a criação e o sonho de um homem milionário chamado Abbott Kinney. Ele era um investidor que decidiu construir sua própria versão de Veneza (Italiana) na América, incluindo um sistema enorme de canais e um complexo de entretenimento para a população, chamado Pacific Ocean Park (conhecido como P.O.P), que foi inaugurado em 1905 e tornou-se muito popular (sobrevivendo até meados dos anos 1970).

Venice-Abbot-Kinney-page

(A construção de Venice)

(Documentário de 1959 “Where The Mountains Meet The Sea” mostrando o Pacific Ocean Park)

Nos anos 1950 e 1960 Venice se tornou um centro para a Geração Beat. Com a desvalorização do lugar e baixo valor dos aluguéis, devido a descoberta de petróleo no local e instalação de máquinas de extração, muitos imigrantes europeus e jovens artistas se mudaram pra lá. Houve então uma explosão de poesia e arte. Participantes principais incluíram Stuart Perkoff, John Thomas, Frank T. Rios, Tony Scibella, Lawrence Lipton, John Haag, Saul Branco e Filomena Longo. Jim Morrison do The Doors também viveu em Venice e escreveu a maior parte de sua poesia e letras de músicas na cidade.

Captura de Tela 2014-08-11 às 10.57.49

A partir de meados dos anos 1970 com a reascensão do skate no local as coisas começaram a melhorar. Graças ao grupo de jovens surfistas conhecidos por Z-Boys (o Z vem de Zephyr – nome da Surf Shop Zephyr – que “patrocinava” esse grupo para divulgar seu nome nas competições). Devido as épocas de ondas muito planas, alguém – não se sabe ao certo quem – descobriu que colocando rodinhas de poliuretano numa prancha, chegaria a algo conhecido hoje como skateboarding. Naquela época era apenas um hobbie para os dias de poucas ondas, mas depois os jovens começaram a levar a sério e competir.

Mais de cem anos após a estréia do Kinney, Venice  mantém uma forte identidade, sendo um lugar único e obrigatório na rota turística de LA. Sabe aquele lugar que você visita e sente algo diferente de você? Então! É um local que foi nascimento de tantos fatos históricos que a gente uma sensação deliciosa e emocionante!

Dica: antes de visitar Venice, veja o documentário “Dogtown and Z-Boys” e o filme “Lords of Dogtown” (ambos escritos/dirigidos por Stacy Peralta que foi um dos membros do grupo).

Quem quiser ler a história com mais detalhes e imagems, veja aqui no Blog Destino Califórnia (que eu adoro!).

 

Dicas para visitar Venice Beach

-> Venice é um lugar sempre agitado (especialmente no verão), mas se você detesta multidões e esperar pra fazer qualquer coisa, recomendo visitar durante a semana (motivos óbvios);

-> Se programe para ir bem pela manhã ou depois do almoço. Motivo: se você quiser almoçar lá, vai ser um pouco chatinho pois tem fila pra tudo, faltam lugares pra sentar ou a comida é um pouco mais cara por ser local turístico (não é um roubo, mas alguns dólares mais caro que um lugar comum);

-> Se quiser presenciar o pôr-do-sol (que é maravilhoso), esteja no local a partir das 18h30. Vale a pena aproveitar a noite de Venice, fica tudo iluminado;

-> Desista de achar vaga pra estacionar (é impossível, sério). Mesmo que por um milagre você encontre, o limite máximo de tempo do parkimetro (essa palavra existe?) é 2 horas, as vezes menos. Ou seja, se você ficar mais tempo que isso vai tomar uma bela e salgada multa. Para evitar essas dores de cabeça, pare no estacionamento pago mais próximo que encontrar da rua da praia. Geralmente custa uns 12 dólares e você pode ficar o dia inteiro até fechar (geralmente fecha as 21h). Vale a pena.

-> Leve na bolsa ou na mochila: snacks da sua preferência (tipo barrinha de cereal, etc), água e protetor solar. Lá é muito quente e faz um calor do cão (no verão);

-> Se você gosta de praticar esportes, essa é a hora de levar sua bike, patins ou skate. Se você não tiver, não se preocupe… tem como alugar por lá;

-> Use roupas leves, de tecidos frescos (algodão é uma boa), calçados confortáveis pra andar bastante e de preferência usando um boné ou chapéu na cabeça, se você não quiser terminar o dia como um camarão, hehe. Vale até mesmo usar uma malha fina para cobrir os braços.

-> Se quiser escapar das filas e multidões para comer alguma coisa, lembre-se: use o Foursquare e ache locais um pouco mais afastados dali (que dê pra ir a pé).

-> Fique sempre atento aos seus pertences: mochila pra frente, câmera no pescoço, celular e carteiras jamais no bolso de trás. O motivo: lá é um lugar muito agitado (tipo a 25 de março, beijos Sampa!) e pode ter trombadinhas que batem carteiras. Gente ruim tem em todo lugar, infelizmente;

-> Se quiser estender a viagem, vale a pena ir pra Santa Mônica que fica logo ali ao norte (dá uns 15 minutinhos de carro).

 

O que fazer em Venice Beach?

-> Andar de bike, patins, surf ou skate (leve o seu ou alugue nas barraquinhas, custa em média U$ 6 por hora);

-> Comprar souvenirs diferentes;

> Ver e fotografar os grafitis incríveis pela cidade;

-> Ir no Venice Beach Skate Park andar de skate ou ver o pessoal andar (e fotografar loucamente);

-> Fazer compras ou passear no mall Abbot Kinney Boulevard (fica próximo a rua principal da praia);

-> Conhecer algum Freak Show (quem nunca teve vontade depois de ver isso nos filmes?);

-> Conhecer locais que foram cenários de video clipes e filmes importantes (como esse do Red Hot Chilli Peppers e aqui a versão de um turista que estava no local);

-> Comprar frutas e outros produtos no Venice Farmer’s Market (toda sexta-feira das 7h as 11h);

-> Participar do evento gastronômico Taste of Venice e conhecer os restaurantes famosos da região (dia 14 de setembro);

-> Visitar o local onde existia a Surf Shop Zephyr (na esquina da Main Street x Bay Street);

-> Visitar e fotografar o o Mural de Jim Morrison (na 1811 Speedway Street);

 

Fique por Dentro

- Blog Independente de Venice

-  Guia de Venice (passeios, hotel, comer e beber, etc)

- História de Venice

- História de Venice II

- Site sobre o Pacific Ocean Park (POP)

Mapa do Pacific Ocean Park

- Site com Fotos Vintage (originais da época)

- Site da Loja Zephyr 

- Lista de Filmes gravados em Venice (desde 1910)

 

VÍDEO DO MEU PASSEIO

Espero que tenham gostado do post e do vídeo! :)

Não se esqueçam de curtir o vídeo, ajudar a divulgar e se inscrever no canal para ficar por dentro das novidades!


Gostou? Compartilhe!

 
Páginas12345... 175»